Desmontando a dieta da zona (a seu pedido)

Desmontando a dieta da zona (a seu pedido)

A Dieta da Zona leva olhando para mim por muito tempo, é verdade que é um método bastante conhecido dentro do mundo da Nutrição, muito difundida dentro de todo esse conjunto de fórmulas compostas de “A dieta…”.

Mas também não é uma exceção, já que baixou amplamente a mania de caracterizar uma dieta de sua natureza dependente de algo, seja uma pessoa (como a Dieta Dukan ou Atkins); um alimento (alcachofra, abacaxi…) ou de um “método”, como é este caso.

O caso é que é curioso o processo de como surge este post, se você quiser uma dose de anecdotismo leed as seguintes linhas, se você quiser ver a análise id diretamente a esse ponto.

Antecedentes: Há pouco menos de um mês, recebi um e-mail (consta-me que blogs de outros colegas também o receberam) com um pedido de escrever sobre a referida dieta por parte da empresa. Poderíamos dizer que esse e-mail errou um pouco no nicho ao qual se dirigia, já que com pouco se informar sobre o blog que eu enviar as informações, você vai perceber que talvez Midietacojea não atende o perfil que eles estavam procurando. Com um rápido olhar para a filosofia do blog, ou a outras entradas em que Meritene, Actimel ou Pediasure não saem muito bem paragens, teria o suficiente.

À margem de um convite para a refeição de gala e a parafernália típica nestes ofertas, porque eu avisei a empresa, que escreveu o post que eu havia pedido do meu ponto de perspectiva de Dietista-Nutricionista, ao fim e ao cabo, tentativa ajustarme as sugestões e pedidos de pessoas.

A resposta foi um “Ótimo que queira participar. Nos próximos dias, vou te enviar mais informações por e-mail e os produtos que te chegarão por e-mail”.

A mim que me sinta mal, isso de receber presentes sem merecerlos, voltei para avisar via twitter e Facebook de minhas intenções:

A segunda, mesmo com o encontro e pergunta, não vá ser que não teve conhecimento de que, talvez, não saía muito bom parar a dieta:

Não havendo resposta aos tweets, assumo que lhes pareceu ideal, e depois de abrir ontem o pacote de presente, me lançou para escrever o post.

Análise da dieta da Zona

Foram tão antes, os de EnerZona que até me enviaram uma série de documentos com os supostos benefícios da dieta, do omega-3, fotos dos produtos, as características do método… vamos, que lhes faltou dizer o formato de letra e o título para obter uma entrada de promoção direta.

No entanto, vou permear a análise minha visão como Nutricionista-Nutricionista e educador. Por trazer uma ordem vou descrever em primeiro lugar, as premissas desta dieta.

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DA ZONA

A Dieta da Zona é uma dessas dietas que em seu logotipo tem o nome de um senhor com pouca auto-estima, e por isso tem que ver seu próprio nome em seus produtos, tal como acontece com Pierre Dukan, pois o mesmo caso com o bioquímico Barry Sears, um senhor que fala de conceitos do calibre de “gordura tóxica”. Seguindo o jogo de famosos, como a realizada Jennifer Aniston, tornou-se famosa (da dieta). Quanto à distribuição de macronutrientes defende a proporção 40-30-30. Ou seja, 40% de Carboidratos, 30% de Proteínas, 30% de Gorduras. Trata-Se, portanto, de uma dieta hiperproteica. Além disso, a distribuição de kcalorías para as pessoas que a seguem é muito inferior às suas necessidades energéticas, o que é muito hipocalórica. Cabe lembrar que uma dieta equilibrada segue as proporções de macronutrientes:

Hidratos de Carbono: 50-60%
Proteínas: 12-18%
Gorduras: 25-35%

Ou seja, estamos diante de uma dieta desequilibrada (por definição). Isso é diferente do que se a dieta é ou não saudável, como você pode ver aqui. Mas não descarta que, efetivamente, possa ser ou não apropriado, dependendo do caso. Começando por esta abordagem, cabe destacar o posicionamento do GREP-AEDN perante as dietas hiperproteicas, também o documento de posicionamento frente à dieta da zona.

O Consenso para a prevenção e tratamento da obesidade da Federação Espanhola de Sociedades de Alimentação, Nutrição e Dietética (FESNAD), não só não comprova a capacidade emagrecimento de proteínas, mas que no caso de que este aumento de proteínas se fizesse à custa de carne poderia, tal como aponta o consenso de que “o elevado consumo de carne e produtos à base de carne pode aumentar o ganho de peso e o perímetro abdominal”. E, além disso, “a longo prazo (superior a um ano), as dietas de baixo conteúdo energético não originam uma maior perda que as dietas de baixo teor calórico e sim que representam um maior risco de efeitos adversos que as dietas de baixo teor calórico”.

Uma vez analisado o aspecto de “equilíbrio da dieta” nós podemos ir em algumas justificativas, a dieta da zona enfatiza em vários aspectos fisiológicos, exalta, sobretudo, a importância dos ácidos graxos ômega-3, e do controle da glicemia e a síntese de insulina. Não vou negar que esses aspectos, tanto o tipo de ácidos gordos que tomamos na dieta, como o equilíbrio glicémico, é fundamental em uma dieta. Mas está intimamente relacionado com a venda de seus produtos.

Por exemplo: a Dieta da Zona defende que não só é importante que a relação 40-30-30 se dê durante o dia todo, mas em cada uma das entradas, como isso é realmente complicado quando se está fora de casa, nos colocam à nossa disposição uma série de produtos (barras de cereais, biscoitos, lanches, salgados, batidos…) que, mesmo divididos por “blocos” de calorias. De forma que alguns de seus produtos têm 1bloque = 100kcal aprox, com a distribuição mágica de 40-30-30 ¡veja! ¡Pensam em tudo! Sobretudo em vender.

Por se fosse pouco, ressalta o quanto é difícil conseguir as quantidades de EPA e DHA recomendadas, (que são dois tipos de ácidos gordos omega-3); de passagem, sobem as recomendações de nutrientes-o um pouco, e não se preocupam de obter essa quantia por parte da dieta, de forma que você tem que tomar todos os dias suas cápsulas de Omega-3 RX Ener Área, mesmo se atrevem a colocar o omega-3 na base de sua pirâmide própria.

Desta maneira já está montado o bar: justificou a importância do ômega-3 em quantidades industriais, uma proporção pouco convencional de macronutrientes em cada ingestão… e como não é fácil com a dieta, você coloca a sua disposição os meus produtos para o sucesso. O Tachán!

ANALISANDO SUAS DECLARAÇÕES

Uma vez conhecidas as suas características, vamos analisar as acusações que usa em seus folhetos e produtos:

Em primeiro lugar me chama a atenção que abanderen seu logotipo com a frase “Na Área da evidência científica”, que fazem um jogo de palavras para dar-lhe justificação ao método, que, como veremos, não é tão bonito como o pintam.

Em primeiro lugar, a única evidência científica que acompanha o método é a de que os efeitos do ômega-3, e o controle glicêmico, aspectos fisiológicos que, obviamente, você tem que controlar o nosso organismo. Como Justifica isso seguir a dieta da Zona? Não!, o perfil lipídico e a glicemia são aspectos que devemos considerar em qualquer plano de alimentação.

FALÁCIAS DA TRAMA:

Por outro lado, lembrar que o fato de que certos elementos possuam de forma individual características, não tem por que dar essa característica a um total, e nem muito menos em condições diferentes.

Ao igual que a dose de vitamina produzem um efeito de X e outra E o multivitamínico que contenha as duas não vai produzir X+Y. Tampouco porque um alimento/dieta contém uma molécula que uma dose que in vitro tem um efeito específico, implica, necessariamente, que o seu consumo tem.

Uma coisa é dizer que a madeira é um bom isolante térmico, e outra dizer que na minha casa de madeira não tenho frio.

OS SUPOSTOS BENEFÍCIOS DA DIETA DA ZONA:

-“É equilibrada e saudável” (mentira, é desequilibrada, segundo a definição que temos analisado, porque as suas proporções são hiperproteicas, que não tem por que ser perigoso).

-“Obtém-Se o peso adequado para cada pessoa, sem passar fome” (Pretensioso, fraudulento, não tem um porquê).

-“Melhorar os níveis de colesterol e HDL”. Eu acho quanto mais curioso, já que muitos de seus produtos têm um perfil lipídico saturado ou contêm hidratos de carbono refinados.

Barrinhas de cereais, 5 g de gordura saturada de 13,3 g total = 37,6%
Barra sabor cheese-cake: 7,5 g de gordura saturada, de 12,8 g total = 58,6%
Lanche “Minirock” 10,2 g de gordura saturada de 16,4 g total = 62,2%
Shake sabor morango: 8,4 g de gordura saturada de 13,2 g total = 63,6%

Para uma dieta de proteção cardiovascular, recomenda-se uma ingestão de < 7% de ácidos graxos saturados, enquanto que estes produtos contêm entre 5 e 9 vezes mais do que essa proporção.

Como você pode dar uma olhada no post sobre o Mitos e erros sobre o colesterol”, este perfil não ajuda a fazer; e se os benefícios só são atribuídos ao consumo do omega-3 não devem ser inerentes aos da dieta em sua descrição.

-“Aumenta o desempenho físico, mental, energia e vitalidade” (Alguma evidência de o primeiro? E sobre o segundo? A que se referem?).

-“Aumenta a nossa capacidade antioxidante e reduz o aparecimento de radicais livres. Fundamental para retardar o processo de envelhecimento”. Como evidência de que esta dieta faz isso? por favor…)

Também inclui uma série de situações para que saiba se você precisa da Dieta da Zona, estas, de acordo com a empresa são:

“Você acha que seus hormônios não se deixam perder peso, você tem sempre fome, faz dieta e não perder peso, você recupera rapidamente, não mantiver o seu desempenho físico com a dieta, você quer aprender a comer de forma saudável…”

Ou seja, uma série de características comuns às pessoas que fracassam com as dietas, uma primeira justificação que tenta preencher um vazio de informações a pé de rua (hormônios) e o elefante branco final de “se quiser aprender a comer de forma saudável”.

Me parece uma provocação vender esta “dieta” como um método para aprender a comer, quando, precisamente, faz tudo o contrário: tornar dependente de uma bateria de produtos, pressuposto de uma incapacidade para poder alcançar os objetivos que você marca ela mesma.

Se você realmente se preocupasen de sua saúde, os profissionais que anunciam em seu site, te ensinar a comer, e tal como faria um Nutricionista-Nutricionista. Infelizmente o que conseguirá com este método, além de seguir uma dieta desequilibrada, vai doar o dinheiro a uma empresa que faz publicidade enganosa e que há de seus clientes, consumidores dependentes, a longo prazo, por não dar-lhes as ferramentas adequadas.

—–

Por último, e fazendo referência à linha inicial do post, dizer que esta coluna tinha cravada desde que estudei a Diplomação, lembro-me do que me aconteceu em um curso de livre escolha (sim, aqueles créditos que dizem ser formação flexível do aluno, mas a única coisa que fazem é se tornar um elemento de circo e o riso, e até mesmo colocar-se a serviço de quem possa pagar cursos de mergulho de 400€ para cepillárselos quase uma).

Em um desses cursos, que visa a nutrição e o esporte, “os professores da minha Universidade foram capazes de levar-nos a uma bióloga que trabalha para EnerZona a racionalização toda esta coluna de falácias, mesmo se puseram de sua parte no debate que um colega e eu desencadenamos para mostrar o nosso descontentamento. O show teve de tudo, até mesmo depoimentos de pessoas que haviam seguido a dieta, entre elas um guarda-roupa de cerca de 100kg que dizia que eu ia genial consumindo 20 blocos por dia (2000 kcal).

Mais uma evidência de que não se deve crer nem em profissões ou em coletivos, mas em pessoas, e pessoas com boa vontade.

—–

Basulto J, M, Baladia E. Dietas hiperproteicas ou proteinadas para emagrecer: desnecessárias e arriscadas. Dieta Dukan e método PronoKal como exemplo. A FMC.2012; 19(7): 411-8.
Gargallo M, Basulto J, Breton I, de grande êxito J, Formiguera X, Salas-Salvadó J. Recomendações nutricionais baseadas em evidências para a prevenção e o tratamento do sobrepeso e da obesidade em adultos (Consenso FESNAD-SEEDO). Revista Portuguesa de Obesidade. 2011;9 (Suppl 1):1-78.
Frank H, J Graf, Amann-Gassner Ou, Bratke R, Daniel H, Heemann Ou, et al. Effect of short-term high-protein compared with normal-protein diets on renal hemodynamics and associated variáveis in healthy young men. Am J Clin Nutr. 2009;90:1509-16.
Se você gostou compartilhe e divulgue!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *